indicadores de gestão de condomínios
08 jul 2019

Conheça agora os 8 principais indicadores de gestão de condomínios

A administração de condomínios comerciais e empresariais utiliza índices para mensurar o desempenho do serviço prestado. Esses indicadores de gestão de condomínios ajudam a avaliar o rendimento dos colaboradores, a utilidade dos equipamentos, os fluxos das operações e assim por diante.

Para ajudar você a entender melhor esse assunto, elaboramos este artigo sobre os principais indicadores para gestão de condomínios e a importância de cada um deles! Ficou interessado? Então, continue a leitura!

1. Indicadores de Ho

Os indicadores de Ho formam um grupo de fatores que, após um estudo sobre mais de 700 organizações nas regiões da Ásia e da Oceania, o pesquisador Daniel C.W. Ho definiu como sendo fundamentais para gestão de condomínios. São eles:

  • custos anuais de facilidades;
  • custos de startup;
  • custos de limpeza em geral;
  • custos com manutenção;
  • custos com reformas;
  • custos com limpeza por metro quadrado;
  • valores dos ativos e dos rendimentos.

Esses indicadores falam sobre o acompanhamento do condomínio em si, são mais globais e não necessariamente falam sobre o trabalho dos colaboradores.

2. Indicadores de Quinello e Nicoletti

Assim como Daniel C. W, Ho, em 2006, o mestre em Administração José Nicoletti e o Doutor em Administração Robson Quinello ao estudarem a fundo o assunto, identificaram que, além dos indicadores já citados, também são extremamente relevantes:

  • a identificação das dimensões do espaço de trabalho;
  • o definição do formato do espaço de trabalho;
  • a qualidade da iluminação;
  • a qualidade do ar-condicionado;
  • os níveis de ruído;
  • o ambiente de trabalho, de um modo geral.

Diferentemente do tópico anterior, esses indicadores precisam ser acompanhados por impactarem diretamente o trabalho dos colaboradores.

3. Financeiro

A diminuição dos custos é um dos principais focos quando se contrata gestores de condomínios. Entretanto, cortar custos não é tão simples, é preciso verificar a viabilidade e a efetividade dessa estratégia.

Como você já deve ter percebido, indicadores sempre funcionam melhor como parte de um grupo. Assim, algumas outras métricas financeiras que devem ser acompanhadas são:

  • custos brutos da contratação dos serviços;
  • custos de manutenção;
  • custos operacionais por usuários;
  • custos de limpeza;
  • custos com compras de insumos;
  • custos de segurança;
  • despesas com reformas;
  • custos de energia em empresas com servidores e data centers;
  • gastos com reposição de ativos.

A dinâmica do gestor consiste em acompanhar e comparar esses valores com os objetivos estipulados e avaliar se houve de diminuição em relação aos gastos anteriores do condomínio.

4. Processos operacionais

Já mostramos indicadores de gestão de condomínios focados na atuação da empresa gestora e na atuação dos colaboradores. Nesse tópico, o de processos operacionais, vamos mostrar indicadores relacionados à atuação da empresa na resolução de problemas. São os principais indicadores:

  • quantidade de manutenções preventivas e corretivas;
  • tempo de resolução de um chamado;
  • eficácia nos sistemas de comunicação;
  • nível de segurança oferecido aos usuários, fundamento por índices de acidentes e obediências às normas regulamentadoras;
  • cumprimento de prazos;
  • qualidade dos equipamentos fornecidos (nas dimensões de segurança, velocidade de processamento, atualização, capacidade de armazenamento).

Vale lembrar que todos os levantamentos devem ser baseados em números que reflitam a realidade.

5. Relacionamento entre contratante e fornecedora

Existe um indicador que muitas vezes é negligenciado, mas que impacta diretamente todos os outros: o relacionamento com os fornecedores.

Para fazer um exercício de reflexão, tente imaginar o que acontece em um condomínio que não recebe o material de limpeza, por exemplo. Imaginou? Pois é!

Para evitar problemas, uma boa opção é utilizar o benchmarking para escolher os fornecedores. Em seguida, estabelecer os indicadores de acordo com a realidade do seu condomínio.

Faça esse último passo por meio de um documento contendo o que a contratante espera da contratada e quais os deveres e os direitos de ambas as partes.

6. Satisfação do cliente

A contratação de uma empresa gestora de condomínios visa o aprimoramento da experiência do usuário final. Assim, é preciso ficar atento à satisfação do cliente.

Nesse sentido, boas métricas para avaliar uma empresa gestora de condomínios são:

  • relação entre usuários satisfeitos e insatisfeitos com os serviços que são prestados ao condomínio;
  • números de reclamações de clientes.

A avaliação de satisfação do cliente permite a verificação direta de atributos da empresa (e dos concorrentes). Isto é, a pesquisa oportuniza que se faça um mapeamento de quais são os atributos que os clientes esperam em determinados serviços ou produtos.

Mas atenção: a satisfação dos clientes deve ser mensurada com base nos serviços prestados, tais como segurança, serviços de limpeza e recepção.

7. Inovação

Essa métrica deve se fundamentar nos resultados das iniciativas tomadas pela empresa gestora contratada. Algumas possibilidades:

  • verificar melhora na receita dos gastos com tecnologia;
  • identificar a variedade no portfólio;
  • acompanhar a receita de novos produtos e serviços;
  • monitoramento de satisfação do cliente na interação com os serviços.

Inovação nem sempre é sinônimo de tecnologias, por isso ressaltamos que é importante ficar atento a iniciativas da empresa gestora em prover soluções que melhorem o condomínio.

8. Indicadores personalizados

Para finalizar, cada negócio pode desenvolver os seus próprios indicadores. Uma boa solução é adaptar os indicadores que citamos acima. Sugerimos a avaliação periódica:

  • das despesas com funcionários;
  • das ordens de serviço;
  • dos custos com materiais;
  • do tempo médio de resposta às ordens de serviço.

Esses são alguns exemplos, mas seja qual for a escolha é fundamental ajustá-lo à realidade do seu negócio.

Esse post buscou ressaltar que existem empresas terceirizadas especializadas na gestão de condomínio, e que sua contratação compensa em relação ao custo-benefício. Mas, principalmente, porque se torna possível mensurar todos os indicadores de gestão de condomínios comerciais ou empresariais que influenciam a qualidade dos serviços prestados.

Nosso artigo foi útil para você? Então, aproveite para saber, agora, dicas sobre como reduzir custos em uma gestão de facilities!

1 Comments

  1. You’ve made some decent points there. I looked on the internet to learn more about the issue and found most people will go along with your views on this site.

leave a comment

Make sure you enter the (*) required information where indicated. HTML code is not allowed.